Chama-se micromobilidade elétrica e, depois de ter sido um sucesso nos Estados Unidos, na China e em vários países europeus, começa a ser largamente usado em Portugal. Muito fáceis de usar, úteis para se deslocar facilmente para curtas e médias distâncias na cidade, as trotinetes elétricas ecológicas são, na verdade, uma escolha cada vez mais comum, mesmo entre os italianos. Vamos ver porquê.

As regras para os utilizadores

Em Portugal os utilizadores destes novos meios continuam a crescer. Mais homens do que mulheres os usam (60% contra 40%). Inicialmente eram principalmente jovens entre 16 e 23 anos de idade. Posteriormente, a idade subiu para 30 anos, concentrando-se assim no grupo de trabalhadores que necessitam de percorrer rapidamente alguns quilómetros (em média 2) várias vezes por dia nas cidades, por exemplo, para chegar ao trabalho ou para ir a consultas.

Muitas pessoas pensam que não há boas práticas de segurança a serem seguidos para se deslocar nestes veículos, mas não é este o caso.

  • É proibido transportar outros passageiros;
  • As trotinetes eléctricas só podem circular em zonas autorizadas, ciclovias, ciclovias e vias urbanas.
  • É proibida a circulação no escuro e durante o dia em caso de má visibilidade para micro veículos sem luzes. Nesses casos, só podem ser transportados à mão;
  • Estas não são regras escritas, mas para sua própria segurança é importante manter o veículo em funcionamento, usar capacete (mesmo que não seja obrigatório), usar sapatos adequados, descer da scooter em caso de chuva e atravessar a estrada. No caso do tráfego em estradas com um limite de velocidade de 30 km/h, é necessário usar um colete ou aparelho retro-reflector.
  • O utilizador deve certificar-se de que o veículo que adquire ostenta a marca CE e emite um sinal acústico;
  • As regras que regulam o uso de trotinetas eléctricas são diferentes das que se aplicam às segways (com guiador), hoverboards e monowheels, cuja circulação só pode ser autorizada em determinadas áreas definidas por cada município, tais como zonas pedonais e ciclovias.

As nossas cidades estão prontas?

Em muitas cidades do nosso país não será fácil encontrar áreas adequadas para usar trotinetes. O verdadeiro risco, no futuro imediato, é que na ausência da identificação de áreas dedicadas a trotinetas eléctricas, segways, monowheels e hoverboards acabem por se deslocar nas calçadas, como muitas vezes acontece com as bicicletas. E à medida que estes veículos se tornam cada vez mais difundidos, a possibilidade de acidentes é, infelizmente, real. De acordo com uma estimativa da Associated Press nos Estados Unidos, já houve onze fatalidades. Em Paris, onde mais de 15 mil trotinetes elétricas estão ativos, sua circulação nas calçadas é proibida. Enquanto se aguarda a introdução de um pacote de regras ad hoc no Código da Estrada, bem como o reforço das ciclovias, pode ser apropriado tomar emprestado este constrangimento do capital francês. Este seria um sinal importante em termos de segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.